Como Começar um Viveiro de Mudas Permacultural e Porque Fazê-lo

O viveiro de mudas da Fazenda Bella em fase final de construção.

Meus irmãos e eu crescemos em uma cidade pequena no estado da Califórnia onde abundavam espaços abertos, alguns terrenos grandes e pastos para cavalos. Mais abaixo na rua onde morávamos vivia um homem chamado ‘Crazy John’ (João Maluco) que tinha uma casa modesta em um terreno grande cheio de árvores raras que ele havia coletado ao redor do mundo. O lugar era quase uma selva. John também tinha um viveiro pequeno de onde, algumas vezes, nossos pais nos levavam para comprar árvores para o nosso quintal.

Artigo de Douglas Bullock*
(Tradução livre, Eurico Vianna)

Algumas vezes John dava, para nós crianças, um saco grande de sementes para plantar. Sementes grandes. Sementes estranhas. Na verdade, eram mais curiosidades do que sementes. Ele nos mandava plantá-las em algum lugar, mas eu acho que nos nunca plantamos nenhuma. Anos depois, quando nos interessamos por plantas, árvores frutíferas e coisas exóticas, nós notamos algumas coisas que realmente nos chamaram a atenção em alguns lugares da cidade. Nós parávamos para falar com as pessoas e elas invariavelmente diziam: “- Bem, você sabe, antigamente tinha esse cara…”.

A maioria das pessoas achava o John um pouco maluco porque ele falava constantemente de teorias de conspiração internacional e outras coisas desse tipo. A sua propriedade, com certeza, destoava da ‘típica paisagem suburbana’[1] que crescia aos arredores. Mas as pessoas não se incomodavam com suas excentricidades. Ele tinha boas plantas e árvores, conhecia sobre microclimas e ele fazia a diferença.

Se você quer fazer a diferença de uma maneira positiva como John fez, eu a aconselho a montar um viveiro de mudas caseiro. A propagação de plantas úteis é uma boa ação por meio da qual você vai aprender e amadurecer tremendamente.

 

Escolha as plantas certas e economize dinheiro
Um dos maiores benefícios de se começar um viveiro de mudas pequeno é que você vai desenvolver as habilidades necessárias para propagar um número enorme de plantas necessárias para executar os planejamentos de plantio que dão início aos sítios permaculturais.

Se você realmente quer sobrepor espécies diferentes e reproduzir sistemas naturais (que é o ideal em sistema permacultural) é necessário uma quantidade enorme de plantas durante anos de desenvolvimento.

Comprar essa quantidade de plantas de estabelecimentos comerciais pode trazer gratificação instantânea, mas também pode ser inviável financeiramente. Por outro lado, a propagação de centenas de arbustos à partir de mudas de corte ou o enxerto de árvores frutíferas não toma tanto tempo e custa muito pouco financeiramente.

Além do mais você talvez não encontre as melhores plantas para sua propriedade em viveiros locais ou por meio de encomendas. As espécies e variedades em voga podem ter sido selecionadas por características como crescimento compacto, flores grandes ou folhagem roxa. Embora essas características possam ser atraentes, elas podem não ser necessariamente desejadas para o seu sítio.

As plantas geralmente mais adaptáveis, que fixam nitrogênio ao solo, que proveem polén para as abelhas, que são resistentes ao frio e à seca, que toleram o vento e o sal ou que proveem enormes quantidades regulares de uma colheita valiosa sob condições adversas são as plantas mais adequadas ao modelo permacultural. Você pode estar procurando por plantas com estranhos extratos químicos, elixires da fonte da juventude ou outras qualidades como estas ou com colheitas que sirvam as suas necessidades e condições e talvez, por conta da escassez ou preços exorbitantes no mercado aberto, você tenha que cultivá-las você mesma.

A propagação das suas próprias plantas também permite uma margem de erro maior, o que é inevitável. Quando você só tem um espécime de uma planta interessante a tendência é protegê-la e abraçá-la, plantando-a onde você acredita ser o lugar ideal. Isso é natural. Entretanto, ocasionalmente nós não estamos cientes de alguma faceta cultural e cometemos erros, às vezes perdendo a planta.

Por outro lado, quando você tem 50 ou 100 mudas de uma dada planta ou árvore é mais fácil tentar plantá-las em todo tipo de situações e dá-las como presentes para amigos que provavelmente irão plantá-las em lugares totalmente diferentes dos que você teria tentado. Algumas podem definhar ou morrer, mas outras vão prosperar em áreas que você nunca esperaria, superando as expectativas dos seus sonhos mais loucos. Essas plantas podem até se tornar parte do ecossistema e recursos locais para futuras gerações de seres humanos, animais, plantas e fungos. Eventualmente elas podem até se tornar registros fósseis para o estudo de outros. O que poderia ser melhor?

 

Como posso começar?
Fontes de plantas, sementes e mudas são abundantes nesse mundo. Claro que você pode comprar plantas adequadas de viveiros e lojas de sementes (veja as referencias), mas também existem muitas outras fontes. Você pode conseguir sementes, mudas, brotos ou mesmo plantas de lugares selvagens, lotes vazios, de jardins e horta de outras pessoas, etc.

As plantas são praticamente o assunto mais básico de nossas conversas. Meus irmãos e eu descobrimos que as barreiras raciais, culturais, etárias, políticas e sexuais parecem evaporar quando conversamos entusiadamente sobre plantas com alguém, especialmente quando quando a conversamos sobre alguma planta interessante no jardim ou horta dessas pessoas. Provavemente você terá uma resposta positiva se perguntar: “- Como você chama aquela árvore estranha com aquela fruta fedida? Você pode me arrumar algumas sementes para plantar em casa?”.

Criar uma rede de contatos com outros permacultores e produtores locais que também se interessem por plantas pode expandir muito as suas fontes, especialmente se você tiver algumas mudas extras de plantas interessantes para trocar. Frequentemente, amigos e conhecidos te oferecerão as plantas excedentes e te deixarão fazer mudas ou coletar sementes de suas hortas e jardins. Se você se afiliar aos grupos já estabelecidos como a Associação Brasileira de Orgânicos ou a Rede Permacultura Social Brasileira [2] você pode aprender muito e suas fontes se tornarão mais remotas e diversas. Você também pode retirar plantas e mudas de áreas que foram destinadas para construção antes que as máquinas limpem o terreno, criando assim outra fonte de coleta.

Os sistemas de correios, entrega de encomendas, companhias aéreas e as viagens turísticas para lugares exóticos da era moderna permitem toda uma variedade de aquisições de plantas do mundo todo. Ter um viveiro de muda caseiro no seu sítio e se familiarizar com as técnicas de propagação de mudas permitirão com que você cultive as plantas que misteriosamente chegam pelo correio ou que de alguma forma foram parar dentro do seu snorkel[3] durante aquela viagem para um lugar paradisíaco e depois foram descobertas no seu Jardim do Éden em casa.

Depois que você conseguir sementes, mudas de corte e algumas espécimes de uma determinada planta você pode começar a propagá-las. Se você não conhece muitas técnicas de propagação, existem bons livros sobre o assunto que poderão te ensinar o que você precisa saber, como, por exemplo, ‘como’ e ‘quando’ fazer mudas de enxerto ou quais sementes precisam ser escarificadas para germinar, etc. Durante o processo de propagar o seu estoque do viveiro de mudas caseiro você vai aprender muito sobre as plantas e o que elas precisam.

Onde colocar o viveiro de mudas?

O melhor lugar para se colocar um viveiro de propagação de mudas e uma estufa (semi fechada com vidro ou aberta com sombrite) é bem perto do seu centro de atividades na Zona 1. Dessa maneira, você pode verificar facilmente os níveis de humidade ou presença de pragas diariamente ou mesmo várias vezes por dia. Durante a estação de crescimento eu verifico os níveis de humidade e a presença de lesmas todos os dias pela manhã enquanto bebo meu chá.

Vasos maiores que não precisam ser verificados nem aguados frequentemente podem ser colocados um pouco mais distante na Zona 2. As plantas e árvores plantadas em maior quantidade em fileiras no chão do viveiro e que serão transplantadas mais tarde, devem ser cultivados no seu melhor solo. Cultivar as plantas no solo do viveiro exige menos irrigação e cuidados, permite o cultivo de plantas até o tamanho adulto, assim como o plantio em grande quantidade com relativamente menos trabalho. Essa técnica não precisa tomar muito espaço (talvez uma fileira ou duas nas margens da horta), mas em geral plantas e árvores para o plantio em grande escala exigem menos atenção e, portanto, podem ser colocadas nas Zonas 2 ou 3.

 

Mudas de Enxerto (Enxertia)
A enxertia é um método que consiste em afixar uma muda de corte (galho) de uma determinada árvore frutífera à base do caule de uma árvore da mesma espécie ou de uma espécie aparentada mais madura[4]. Essa técnica é extremamente útil na reprodução rápida e fidedígna de multiplos exemplares de uma mesma árvore. A técnica de enxerto também é uma forma de adaptar uma árvore frutífera à condições locais específicas. Isso é feito escolhendo bases (árvores já maduras) já adaptadas à humidade, doenças, tamanho e tipo de solo necessários.

A seleção de árvores bases apropriadas permitirá com que você use espaços marginais e microclimas de maneiras que não são normalmente possíveis. Em várias ocasiões, eu já vi o mesmo cultivar de uma determinada árvore, quando enxertadas em bases diferentes, suportando níveis de inundação ou seca inacreditáveis sem deixar de produzir muitas frutas de altíssima qualidade. A Ameixa Européia quando enxertada em um cavalo Pixy’[5] consegue sobreviver meses em terreno alagado e ainda produzir fruta, ao passo que quando enxertada em um cavalo de pêssego (Siberian-C) a mesma ameixa consegue suportar secas extremas em solos pobres. Algumas de nossas pereiras (árvores de pera), quando enxertadas em cavalos de marmelo e plantadas às margens de nosso pântano, ainda produzem bem com suas raízes submersas em água durante 6 meses do ano!

Quer você enxerte árvores de castanhas grandes em pinheiros nativos, jacas, melões ou pepinos, o mundo das mudas de enxerto vai expandir enormemente suas opções. O que você pode ou não enxertar, a rejeição tardia, a transferência lenta das características do cavalo para o cavaleiro ou as mudas de enxerto hibridas são todos aspectos do trabalho com o viveiro de mudas que continuam nos ensinando mais sobre as plantas, seus relacionamentos e a vida na Terra.

 

Viveiros de Plantas Naturais
Os ‘viveiros de mudas’ que ocorrem naturalmente em algumas áreas são outra fonte boa de mudas que frequentemente passam despercebidos. Sempre que você estiver viajando ou passeando na sua região, mantenha seus olhos abertos para os lugares onde as plantas e árvores se naturalizam, ou seja, germinam e crescem naturalmente sozinhas. Você pode encontrar essas áreas na natureza, em paisagens antigas e amplas, nas partes mais selvagens dos parques, em terrenos de escolas e universidades, jardins botânicos (algumas vezes abandonados), propriedades, lotes vazios ou quintais sem manutenção.

Frequentemente essas plantas podem ser transplantadas para o seu viveiro ou sítio economizando tempo e dinheiro. Qualquer que seja a área, selvagem ou onde plantas se naturalizam, certifique-se de deixar representantes vivos das melhores plantas para regenerar aquela população. Essa regra não se aplica aos lugares que estão em perigo de destruição, obviamente.

Ao passo que o seu sítio se desenvolve, áreas de viveiros naturais acontecerão cada vez mais frequentemente. Fique atento para não cortar ou retirar dessas áreas plantas valiosas sem querer. As áreas onde viveiros acontecem naturalmente muitas vezes indicam que as condições presentes são praticamente perfeitas para aquelas plantas em particular. Preste atenção e tente recriar essas condições nas novas áreas onde vai plantar os mesmos tipos de plantas.

Você vai ficar mais sintonizado e bem informado.

O trabalho em um viveiro de mudas nos permite interagir com as plantas de maneira diversa e aprender coisas que nem sonhávamos. É uma das melhores maneiras de aprender intimamente sobre as plantas e suas necessidades. Esse trabalho praticamente te força a se concentrar em aspectos desses pequenos seres verdes que normalmente passam despercebidos.

As sementes, o que é necessário para germiná-las, as folhas, as flores, a casca dos troncos, a estrutura das raízes, as mudinhas, a fertilidade do solo, a quantidade de água, o que quer se seja, você se encontrará estudando e observando as plantas em seu viveiro tão de perto que você não esquecerá tão cedo o que você está observando. Nomes em Latin virão mais facilmente à cabeça, os relacionamentos entre as famílias das plantas ficarão mais claros e novos temas e estratégias de plantio passarão a povoar seus pensamentos.

Como seres humanos nós temos corpos e mentes formidáveis especialmente projetados, ao que parece, não só para observar, mas para interagir. Pense por um momento, você poderia ter nascido um simples mofo ou algo sem nome, mas você veio como um ser humano dessa vez! Em um nível mais prático, uma das melhores maneiras de se interagir com o mundo natural é começar um viveiro de mudas pequeno.

Além das vantagens práticas, econômicas e educacionais de se propagar plantas para o seu paraíso permacultural, o trabalho no viveiro é prazeroso; e você pode até ficar famoso também! Quando você encontrar uma variedade da sua fruta favorita em uma área que é um viveiro natural, comece a propagá-las na sua estufa na Zona 1. Depois siga para o mercado dos produtores locais com mil mudas. Você pode batizá-las como quiser ‘Delícias Terrestres do Bob’, ‘Gemas da Lemúria’ ou ‘Pedaços de Mel da Janice’, o nome é com você… você pode atingir a imortalidade!

E lembre-se, se você algum dia encontrar um desses aviso…

AVISO: Reprodução assexuada usando enxertos ou mudas de galhos para a venda ou uso próprio é proibida pelas leis de patente Americanas. Infratores serão processados e [esse viveiro] oferece uma recompensa de $2.500 dólares pelas evidencias usadas na prisão e acusação dos infratores.

Jamais faça isso! Porque você não deve fazê-lo e porque é malcriação!

 Nota: Para os que tem se interessado pelo meu trabalho com desenho regenerativo, durante o mês de setembro estarei no Brasil ministrando alguns cursos e oficinas.
– Entre os dias 1 e 9 de Setembro estarei ministrando o curso Agricultura Regenerativacom a equipe da Escola de Permacultura na Serra da Mantiqueira, MG. Esse curso oferece 3 módulos: Tomada de Decisão Holística, Planejamento de Propriedades Rurais com a Escala da Permanência da Linha Chave e Desenho Permacultural.
– Entre os dias 11 e 17 estarei com o amigo Sérgio Olaya ministrando o curso Agricultura Familiar e Empreendedorismo Socioambiental na Fazenda The Green Man em Inconfidência, RJ. Esse curso oferece 3 módulos: Tomada de Decisão Holística, Desenho Permacultural e Agricultura Sintrópica.
– Oficina de Desenho Permacultural na Chapada dos Veadeiros (a ser confirmado).

Fontes e Referências Originais

Dirr, M. The Reference Manual of Wood Plant Propagation. 1987. Athens , GA.
2. Facciola, S, Cornucopia. 1991 – Vista, CA.
3. North American Fruit Explorers (NAFEX), c/o Jill Vorbeck, 1716 Apples Rd., Chapin, IL 62628.
4.

Forest Farm, 990 Tetherow Rd., Williams, OR 97544-9799 (Catalog $3) – (541) 846-7269
5. Permaculture Plant and Seed Exchange, 3020 White Oak Creek Rd, Burnsville, NC 28714 USA.
6.

Western Australian Nut and Tree Crops Association (WANATCA), The Tree Crops PO Box 27, Subiaco, WA. 6008, Australia.
7. California Rare Fruit Growers Inc., Fullerton Arboretum-CSUF, Box 6850, Fullerton, CA 92834-6850.
8.

Nurseries – see also extensive listings by Lee Barnes in Permaculture Activist #34 “Bioregional Plant Allies”

* © 2000 Douglas Bullock

Douglas Bullock e seus irmãos propagaram e plantaram milhares de árvores frutíferas e castanheiras, juntamente com arbustos e plantas da camada intermediária, herbáceas e trepadeiras. Em todas as oportunidades eles voltam a ser crianças comendo ameixas, framboesas, maçãs e todo o tipo de fruta que cresce no sítio deles.

 

Nota do tradutor: Na medida do possível, a tradução foi feita de maneira literal. Entretanto, alguns termos, expressões idiomáticas e nomes pessoais não encontram tradução literal do idioma inglês para o português. Nesses casos, para que não fosse perdida a mensagem e o contexto do artigo original, a tradução foi feita com foco na melhor equivalência idiomática.

 

Também não traduzi as referências originais ao final do texto, embora tenha encontrado e inserido no texto em português referências equivalentes no que se refere às redes de contato da permacultura e produtores orgânicos no Brazil .

[1] – Quando Bullock menciona ‘a típica paisagem suburbana’ ele está se referindo a vizinhanças de classe média à média-alta com propriedades de approximadamente 1000m2 com ‘casas soltas’, ou seja, com edificações independents das habitações nas propriedades vizinhas.

[2] – No artigo em inglês Bullock cita os sites: Permaculture Plant and Seed ExchangeNorth American Fruit Explorers (NAFEX) e o grupo americano de troca de plantas e sementes Permaculture Plant and Seed Exchange.

[3] – Tubo em formato de “L” usado em conjunto com a mascara no mergulho de apnéia.

[4] – Muitas vezes a base é chamada de porta-enxerto ou cavalo e a muda enxertada de cavaleiro.

[5] – Nas pesquisas feitas para a tradução desse artigo nós não encontramos o termo aquivalente para o porta-enxerto ‘pixy tree’. Podemos, no entanto, com base nessas pesquisas, deduzir que seja uma árvore (cavalo) de porte menor e mais resistente utilizada para a multiplicação de amexeiras.