Árvores nos SAFs da Fazenda Bella

Área mostrando a evolução de 2 anos de um SAF estabelecido usando a Agricultura Sintrópica de Ernst Gotsch.

Como parte do projeto de desenvolvimento da Fazenda Bella, as plantas e árvores listadas aqui atendem necessidades específicas da nossa propriedade (em relação ao clima, solo, disponibilidade de água, ordem de sucessão ecológica, ventos predominantes, queimadas, etc.). A lista, portanto, constitui apenas um exemplo (ainda em desenvolvimento) e não deve ser vista como ‘manual prático’ a ser seguido fora de contexto. Muito embora tenhamos organizado a lista com base na função principal de cada árvore ou planta, muitas delas tem funções variadas.

Nota: A lista abaixo foi baseada nos livros Permaculture: A Designer’s Manual e Introduction to Permaculture e nas notas dos cursos feitos com o Ernst Gotsch e Juan Pereira (entre 2014 e 2016).

Árvores fixadoras de nitrogênio
Essas árvores também são chamadas de leguminosas (da família Fabaceae) e ajudam na recuperação do solo, acúmulo de biomassa e fertilização de outras árvores e plantas por meio da poda e cobertura do solo.

  • A Acácia auriculiformis é uma boa pioneira para cerrados e solos tropicais degradados. Essa acácia resiste bem à gramas e capins invasores, restaura a fertilidade do solo, gera madeira para lenha, é resistente ao fogo e serve de apoio para o crescimento de outras árvores. Ela também pega bem por mudas de corte e semente e é amplamente usada como árvore ornamental por sua sombra.
  • A acácia mangium tem características semelhantes a auriculiformis, mas tem o tronco longilíneo e, por tanto, é mais apropriada para empreendimentos agroflorestais uma vez que cumpre a função de pioneira ajudando no estabelecimento de outras árvores e depois pode ser vendida como madeira.
  • A Árvore-do-Beija-Flor (Sesbania grandiflora) é uma pioneira de crescimento muito rápido, que pode ser cortada na base para rebrota, serve de adubo verde em plantações de arroz e revigora o solo. Cresce bem em grande variedade de solos e é amplamente usada em encostas erodidas. As folhas verdes (novas), vagens e flores são comestíveis (devem ser cozidas) e contém 36% de proteína bruta e as sementes chegam a conter até 40%. Tem uma vida de aproximadamente 20 anos porém não resiste muito bem ao frio e ventos fortes.
  • Calliandra (Calliandra calothyrsus) é uma árvore de porte pequeno (4 a 6 metros) e semi-decídua na estação seca. A calliandra pode ser podada na base para uso da tronco como madeira e lenha e os novos brotos podem ser usados para produção de cabos (de enxada, machado etc.).
  • Guanacaste (entrelobium cyclocarpum), como é conhecida na Costa Rica, é uma árvore de crescimento rápido (até 40 metros) que também fixa nitrogênio. Suas favas e folhagem podem ser usadas como forragem para o gado. Também pode ser usada para extração de madeira. A Guanacaste resiste bem as gramíneas.
  • Bracatinga (mimosa scabrella) é uma árvore pioneira que cresce na região sul do Brasil e vive aproximadamente 25 anos. A Bracatinga é uma das árvores com crescimento mais rápido no mundo, chegando até 5 metros de altura nos primeiros 14 meses de vida e até 15 metros nos primeiros 3 anos. É uma árvore que pode ser usada como forragem para abelhas, como cerca viva e lenha. Suas folhas fornecem bastante biomassa para criação de húmus e tem alto teor de nitrogênio, podendo ser utilizadas como adubo verde para outras árvores e plantas na agrofloresta.
  • Árvore-da-Chuva (samanea saman) é uma árvore de crescimento muito rápido (de 8 a 20 metros) comum da região amazônica e do pantanal mato-grossense. Suas favas podem ser usadas como forragem para o gado e sua madeira como combustível.
  • Ingá (inga edulis) ou Ingá de Brejo (inga vera) são árvores de aproximadamente 20 metros de altura, que fornecem uma fava com gomos açucarados comestíveis. Tanto as folhas como as vagens podem ser usados como forragem para o bovinos, ovinos e caprinos. Por ser uma árvore que cresce em áreas ribeirinhas também pode ser usada em áreas brejeiras.
  • Leucena (Leucaena leucocephala). Árvore de pequeno porte (até 3 metros de altura) que resiste bem a seca e também pode ser usada como forragem para o gado. Por ser uma árvore muito resistente e de fácil propagação a Leucena pode se tornar um problema se não for manejada corretamente.

 

Árvores e arbustos resistentes a queimadas
Estas árvores e arbustos devem ser plantados ao longo do setor com risco de queimadas (de acordo com a Análise de Setores) como forma de proteção às áreas de habitação e produção:

  • Amora (morus nigra, morus rubra, morus alba). A amoreira além de ser resistente as queimadas também serve como forragem para bovinos, caprinos e ovinos.
  • Planta-espelho (coprosma repens). Planta de origem Neozelandesa também usada como ornamental.
  • Costela-de-adão (monstera deliciosa). Também usada como ornamental e com frutos comestíveis a costela-de-adão resiste bem a queimadas.
  • Acácias, especialmente as mimosa, dealbata e mangium, além de fixar nitrogênio, resistem bem as queimadas.
  • Ingá (inga edulis) além de fixar nitrogênio, resiste bem as queimadas.
  • Canela-de-viado (Helietta apiculata benth). Além de fornecer madeira para cabos de ferramenta e carpintaria a canela-de-viado também resiste bem as queimadas.
  • Buriti (Mauritia flexuosa). O Buriti, que é muito comum em áreas de nascentes, ribeirinhas e alagadiças, também produz um fruto comestível do qual se pode também extrair um óleo medicinal (vermífugo) e resiste bem ao fogo.

 Plantas resistentes a queimadas
Assim como as árvores e arbustos, essas plantas devem compor os estratos de uma agroflorestal, porém devem ser usadas de forma a proteger os setores com risco de queimadas:

  • Agapanto (agapanthus africanus). Comumente usada como planta ornamental o agapanto serve de barreira natural para queimadas.
  • Batata doce (Ipoemoe batatas). A batata doce, além de ser um tubérculo comestível, também serve de forrageira que suprime ervas daninhas e ajuda a parar queimadas.
  • Confrei (Symphytum officinale). O confrei, além de ser uma planta medicinal (usada no tratamento de doenças gastrointestinais, inflamações e reumatismos), também retarda queimadas.
  • Inhame ou Cará (Colocasia esculenta). Além de ser um tubérculo muito nutritivo, o inhame também pode ser usado em barreiras contra queimadas.
  • Abóbora (nome comum de várias espécies da família Curbubitaceae). A abóbora, além de fornecer o fruto, também pode ser usada como planta forrageira que suprime ervas daninhas e resiste as queimadas.
  • Girassol (Helianthus annuus). O girassol além de prover sementes comestíveis e óleo (extraído das sementes) também ajuda a impedir o avanço de queimadas.

 Árvores com função múltiplas
Estas árvores servem primariamente para extração de madeira, como forragem de abelhas, como plantas medicinais e comestíveis (fruto, folhas ou favas)
Nota: Se o foco do SAF for a extração madereira e o plantio pouco diversificado, essas árvores não devem ser usadas nas áreas com maior risco de queimadas.

  • Aroeira-brava (Lithraea molleoides). Usada como medicinal e para extração de madeira.
  • Jacarandá-mimoso (Jacaranda mimosifolia). Usado para extração de madeira e forragem de abelhas.
  • Angico Branco (Anadenanthera colubrina). Usado para extração de madeira e forragem de abelhas.
  • Jatobá-da-Mata (Hymenaea courbaril). Usado para extração de madeira, forragem de abelhas e fruto comestível (mais comum na fabricação de farinhas).
  • Pau Balsa (Ochrama pyramidal). Usado para extração de madeira e forragem de abelhas.
  • Barú (Dipterix alata). Árvore comum do cerrado com fruto comestível (em farinhas e doces), também usado como forragem para o gado. Apesar de não ser da família Fabaceae, o Barú também fixa nitrogênio.
  • Coco (Cocos nucifera). Além do fruto o coqueiro também fornece fibra para fabricação de sextas e outros utensílios.
  • Moringa (moringa oleifera). A moringa é fornece folhagem e favas comestíveis de altíssimo teor nutritivo. As sementes são utilizadas no tratamento de água e o óleo extraído da semente é considerado medicinal (usado como adstringente e para o tratamento de pele).