Promovendo Segurança Alimentar e Restaurando a Bacia do Descoberto usando SAFs com o MST

Em setembro de 2018 estive com o Osmany Segall visitando 4 famílias assentadas em um acampamento do MST no Distrito Federal. Essas famílias participam, do Programa Água Brasil, “que visa à conservação de recursos hídricos” no país. O programa, que é fruto de uma parceria entre a WWF e a Fundação Banco do Brasil, tem foco exclusivo em soluções para problemas relacionados ao tema. Osmany foi convidado para da elaboração e implementação do projeto pelos amigos do Mutirão Agroflorestal Igor Aveline e Fabiana Penereiro. O projeto apresentado pelo time, no entanto, também foca na problemática da segurança alimentar e viabilidade econômica entre os integrantes do MST e apresenta a implementação de sistemas agroflorestais como solução interdisciplinar para todas essas questões de recuperação de recursos hídricos, segurança alimentar e viabilidade econômica.

A primeira etapa do projeto, que já vem sendo desenvolvido há 8 meses, atendeu 8 famílias nos assentamentos Gabriela, Graziele e Canaã e já implementou sistemas agroflorestais em aproximadamente 4 hectares. A segunda etapa do projeto que começa agora na estação das chuvas visa aumentar a área implantada na Bacia do Descoberto para 17.8 hectares somando a participação de 37 famílias assentadas. Para a primeira etapa, dois cursos de capacitação foram ministrados nos assentamentos como pré-requisito para a participação das famílias. Subsequentemente mutirões de implementação foram organizados entre os coordenadores do projeto e os participantes para estabelecer as primeiras 8 áreas de plantio e a participação coletiva também era pré-requisito para as famílias que queriam participar.

Em todos os casos as famílias foram ouvidas em um processo de diagnóstico participativo que orientou o desenho, também participativo, das áreas de acordo com necessidades e contextos específicos. Ainda assim, a criação de 3 áreas distintas de implementação em cada terreno foi comum na grande maioria dos casos. Foram essas: áreas de enriquecimento, áreas (de plantio) intensivas e áreas de engorda de solo.

Um canteiro de engorda de solo à esquerd e um de plantio intenso à direita no terreno da Tânia e Silvano.

Para as áreas onde já haviam árvores frutíferas, do cerrado ou hortas sendo manejadas pelas famílias foram criadas áreas de enriquecimento. Nessas áreas o objetivo principal foi a diversificação das espécies e da estratificação do sistema.

Áreas intensivas foram criadas onde já haviam árvores nativas, pomares ou hortas de forma a aumentar uma produção já existente. Nesses casos foram estabelecidos sistemas de plantio denso com árvores frutíferas, de madeira e hortaliças. Via de regra, essas áreas com foco mais específico na segurança alimentar e viabilidade econômica da famílias atendidas, eram menores por conta da necessidade de manejo intenso.

Para terrenos muito compactados e degradados foram criadas áreas de engorda, usando o entendimento da sucessão ecológica para recuperar o solo, foram plantadas nessas áreas plantas forrageiras, fixadoras de nitrogênio e capins. O feijão guandú, o feijão de porco e a crotalária, por exemplo, foram utilizados tanto para poda quando para produção de matéria orgânica para cobertura do solo. Essas plantas integram um conjunto chamado nos sistemas agroflorestais de plantas adubadeiras.

O contexto específico de cada família, assim como a topografia do terreno e pomares já estabelecidos exigiu abordagens e técnicas diferentes na implementação de cada SAF. Abaixo eu sintetizo o contexto e soluções utilizadas nas áreas que visitamos.

Seu Gilberto mostrando um Araticum-de-raposa (Annona cornifolia), um arbusto frutífero do Cerrado.

Seu Gilberto é originalmente da região rural e semiárida do Piauí. Como muitos outros campesinos a falta de políticas públicas e acesso ao conhecimento que poderia torná-lo produtivo em sua região de origem, Seu Gilberto abandonou a vida que gostava para procurar trabalho nos grandes centros urbanos. Depois de muito tempo e esforço para dar aos filhos acesso a educação, Seu Gilberto continuava sofrendo com a vida urbana em pobreza. Com apoio de sua esposa, ele então se juntou ao MST para conseguir um terreno onde pudesse voltar a plantar, produzir e viver no campo.

Em seu terreno já haviam uma roça com mandioca, feijão e milho e um pomar com algumas frutíferas convencionais e do cerrado. Após fazer o curso de capacitação Seu Gilberto escolheu implementar uma área nova para aprender e só depois diversificar os sistemas já existentes. A área de SAF implementada no terreno é de aproximadamente 3000m2 e visa a produção de frutas e madeira em médio prazo. Como Seu Gilberto já tinha uma área de roça, a produção de hortaliça foi planejada nos canteiros de árvores e para subsistência apenas.

SAF com 8 meses na casa do Seu Gilberto.

Como antes do curso de capacitação Seu Gilberto não entendia a sucessão natural e a importância da cobertura e do acúmulo de matéria orgânica no solo, ele cuidou de sua área capinando impecavelmente qualquer planta invasora. O resultado foi um solo exposto, pobre e compactado que dificultou muito o estabelecimento do Capim-mombaça (Megathyrsus maximus) nas entrelinhas. Com a estação das chuvas chegando, o plano é semear novamente em algumas áreas e fazer roça de mandioca, milho, feijão e abóbora com adubação nos berços em outras.

Um canteiro mostrando um Eucalipto Cheiroso (Corymbia citriodora) ocupando o estrato emergente.

Grande parte dos assentamentos na Bacia do Descoberto foram estabelecidos em áreas que foram degradadas pela monocultura do eucalipto (E. Grandis), o que deixou essa espécie bastante estigmatizada na região. Como as árvores madeireiras de crescimento rápido são usadas para podas continuas que promovem a cobertura e recuperação do solo nos SAFs, Osmany e Igor, então convenceram Seu Gilberto a usar o Eucalipto cheiroso (Corymbia Citriodora) para essa função.

Outra peculiaridade do terreno e do contexto do Seu Gilberto era o risco de erosão e a escolha de várias frutíferas de estrato alto (porém de portes variados). Nesse caso a solução foi estabelecer as linhas do sistema perpendiculares ao declive e posicionar os consórcios com árvores mais altas na parte sul (e mais baixa) do terreno. Usando uma terminologia do desenho permacultural, foi feita uma análise de setor para identificar o aspecto solar e as áreas propensas à erosão. O posicionamento das árvores de maior porte ao sul do terreno consiste em uma técnica chamada ‘armadilha solar’ na permacultura.

Seu Gilberto compartilhou com a gente é que ele está mais saudável, mais ativo por conta do trabalho com o SAF. Ele comenta que tanto a quantidade como a qualidade de frutas, verduras e legumes na sua dieta melhorou muito. Ele também conta que é tão interessante ver os sistemas se desenvolvendo, tão gratificante fazer parte do manejo que otimiza a vida, que seus filhos estão começando a se interessar pela vida no campo.

Dona Tânia e Ana Júlia caminhando pelo SAF.

A próxima parada foi no terreno da Dona Tânia e Seu Silvano. Eles tem uma família grande e a geração de renda por meio dos sistemas agroflorestais era urgente. No caso deles então, uma área maior, de aproximadamente 4.000m2, foi estabelecida e a abordagem com as áreas de enriquecimento, intensiva e de engorda foi essencial.

Um pomar que já existia com mangueiras e outras frutas foi diversificado. Nessa área, além de outras árvores para compor os vários estratos, foram usados o feijão-de-porco, o milho e o Mombaça de forma a produzir alimentos, mas também matéria orgânica para cobrir e adubar o solo. Uma parcela de aproximadamente 1500 m2 com solo degradado foi trabalhada com a implementação de uma área de engorda. Nesse caso as linhas que receberiam árvores receberam plantas fixadoras de nitrogênio de ciclos de vida mais curto e o Mombaça foi plantado nas entrelinhas para ser usado como cobertura. E uma área intensa de 1500m2 foi estabelecida com hortaliças para consumo e venda do excedente.

Silvano orgulho do canteiro de engorda já com bananas.

Dona Tânia compartilhou que a dieta da família melhorou muito. Ela também comentou que abundância de alimentos produzidos em SAFs demanda um conhecimento específico no processamento dos produtos. Ela e Seu Silvano, que já haviam ampliado seus sistemas por conta própria, estavam com excedente de vários produtos como pimenta dedo-de-moça e repolho roxo com os quais gostariam de fazer conservas e geleias. A infraestrutura para esse tipo de processamento dos produtos ainda não está disponível nos assentamentos, mas Dona Tânia comentou que alguns dos produtores já estão se articulando para montar uma cooperativa.

Osmany e Mateus visitando o SAF na casa da Dona Andréia.

A terceira propriedade visitada foi a da Dona Andréia, que já estava inserida em um contexto convencional de produção de hortaliças com uso de fertilizantes e pesticidas químicos junto com seu irmão Alexandre. Dona Andréia participou do curso de capacitação com seu irmão e com seu filho, Mateus. Juntos eles fizeram a transição para uma produção completamente agroecológica em uma área de 3.000m2. Os SAFs foram implementados fazendo bastante uso das áreas intensiva e de engorda.

Dona Andréia, Alexandre e Mateus organizaram o desenho das áreas implementadas de forma a colher sementes e mudas para um viveiro que estão montando. Outra peculiaridade do sistemas deles foi alternar estratos altos e baixos em uma linha com médios e emergentes em outra, de forma a otimizar a entrada de luz, minimizar o manejo com podas e produzir hortaliças por mais tempo entre as linhas.

Eurico e ‘Professor’, genro da Dona Maria, conversando sobre o Mombaça plantado nas entrelinhas.

Por último visitamos a casa da Dona Maria. Assistida por sua filha e genro, a Dona Maria está implementando uma área de 4.000m2. No terreno dela, porque todos trabalham fora, as hortaliças não foram implementadas nas entrelinhas. Muito resistentes ao uso do eucalipto, eles escolheram substituir essa espécie pela Acácia mangium.

Nas entrelinhas foi usada uma combinação do Mombaça com o mileto (Pennisetum glaucum). Uma estratégia para compensar a falta da matéria orgânica que viria do eucalipto foi plantar o feijão Guandú junto com outras mudas de árvores para fixar nitrogênio e gerar biomassa. Onde não foi possível usar o Guandú, foi utilizado o feijão-de-porco com a mesma finalidade. Combinando essas estratégias foi possível implementar uma área consideravelmente grande para que fosse manejada por poucas pessoas e em dentro de poucos dias por semana.

Notas finais.

Quase todas as áreas foram implementadas ao final do período das chuvas, o que não é o ideal. Em alguns casos áreas muito grandes tiveram que ser aguadas à mão por uma pessoa só, até que um sistema de irrigação pudesse ser instalado. Todos os sistemas de irrigação instalados foram por gotejamento por conta da relação custo-benefício e também da necessidade de economizar água. Ainda assim, com exceção das áreas de entrelinha no terreno do seu Gilberto, todos os sistemas implantados tiveram uma ótima taxa de germinação e desenvolvimento. Enquanto novas áreas são implantadas nesse período de chuvas, as 8 famílias que participaram da etapa piloto vão aprimorar suas técnicas de manejo com podas.

Como forma de complementar a ajuda a essas famílias, o Osmany tem escoado o excedente de produção deles no ponto de entrega e feiras feitas pela Fazenda Bella em Brasília. Essa abordagem, que não foi planejada no projeto inicial, mas que tem se mostrado muito importante, também será ampliada nas próximas etapas.

De um modo geral, e por conhecer a realidade das pessoas mais pobres no Brasil, eu fiquei maravilhado com o trabalho dessas famílias. Elas fazem parte do MST, um movimento demonizado pelas elites e mídia corporativa por pregar a reforma agrária. Sem exceção, eles tem uma vida dura, marginalizados por não conseguirem participar da sociedade de consumo. Ainda assim, frequentemente com jornadas duplas de trabalho e com dificuldades financeiras enormes, estão zelando por seus terrenos e aprendendo a produzir alimentos em harmonia com a natureza. Ainda assim, não perdem a generosidade… Não houve uma casa onde não nos oferecessem um café e um lanche, onde não insistissem que ficássemos mais tempo. A dedicação deles, à revelia de tantas provações, mostra que é possível produzir alimentos recuperando lençóis freáticos, a biodiversidade local e acima de tudo promovendo justiça social. Parabéns ao Igor Avelino, Osmany Segall, Fabiana Penereiro e as 8 famílias que abraçaram os sistemas agroflorestais para mostrar ao mundo o que é possível quando se tem esperança, boa vontade, conhecimento e companhia!