Alimentos Transgênicos: O que você precisa saber e o que você pode fazer

O Dr. Zack Bush tem feito comparações entre a saúde do meio ambiente e a saúde humana. Ele argumenta que assim como um sistema de produção de alimentos saudável precisa de bactérias, fungos para as plantas possam ser saudáveis e nutritivas, nossa flora intestinal também precisa das bactérias e fungos para promover a saúde do corpo como um todo. Embasado em pesquisas científicas já publicadas em jornais especializados o Dr. Zack Bush vem liderando um movimento pela adoção da agricultura regenerativa nos Estados Unidos. Segundo ele o uso do glifosato tem relação direta com doenças como o câncer, mal de Parkinson, Alzheimer, autismo e intestino poroso. No artigo abaixo ele explica a correlação e compartilha o que pode ser feito para reverter esse quadro sombrio.

Nota do tradutor: O artigo que segue foi publicado originalmente em inglês na newsletter ZackBushMD.com e posteriormente no site do Instituto Rodale, portanto é uma publicação voltada para o público leigo, não científico. A versão em português é uma tradução livre feita por Eurico Vianna.

Todas as partes em negrito constam no artigo original. Eu acrescentei notas de rodapé para contextualizar ou explicar termos mais científicos. Também acrescentei comentários onde entendi que valia à pena contextualizar as diferenças no uso do glifosato no Brasil em comparação com outros países. 

Ao final do texto podem ser encontrados 3 artigos publicados em jornais especializados abordando os efeitos nocivos do glifosato para saúde humana. Os artigos foram publicados pelo Dr. Zack Bush e sua equipe de pesquisadores 


No decorrer dos anos eu tive muitas experiências com pacientes que me levaram a questionar a forma com a qual a medicina ocidental aborda doenças e tratamentos. Na maioria dos casos o objetivo se tornou gerenciar as doenças ao invés de criar as condições ideias para a saúde.

Meus questionamentos me levaram a descobrir estatísticas desconfortavelmente estarrecedoras. À partir dos anos 90 algo alarmante começou a acontecer nos Estados Unidos.

Doenças – no que pareciam órgãos completamente diferentes se tornaram epidêmicas quase simultaneamente.

  • A demência aumentou nas mulheres.
  • O Mal de Parkinson aumentou nos homens.
  • Doenças autoimunes atingiram níveis nunca vistos.
  • Hoje uma em cada duas pessoas serão diagnosticadas com câncer antes de morrer.
  • Uma em cada 36 crianças são diagnosticadas com Autismo comparado com uma em cada 5.000 nos anos 1970

Por que tantas doenças, em partes tão distintas do corpo, estão aumentando em ritmo tão acelerado? Qual a relação entre elas?

A inflamação crônica é o fator que conecta tudo.

E a inflamação crônica é a raiz de todas as doenças.

Por definição inflamação é, na verdade, uma resposta biológica normal a uma lesão. É a reação do corpo a um dano causado ao tecido ou célula por um patógeno nocivo ou outro estímulo qualquer.

Nosso intestino tem uma membrana muito fina que protege suas células de compostos e bactérias que causam inflamação.

Se essa membrana se torna permeável nosso sistema imunológico inteiro sente os efeitos e nós entramos em um processo inflamatório.

Nós sabemos que nossa dieta certamente tem um papel na saúde intestinal, mas infelizmente nós não podemos simplesmente abandonar os doces, começar a comer verduras e legumes e esperar que nossa saúde dê uma reviravolta completa. Isso pode ajudar, mas como eu descobri, isso é só uma peça do quebra-cabeças.

Eu tenho me concentrado em saúde holística e alimentos ricos em nutrientes para curar doenças por anos na Clínica M. Mas inicialmente as estatísticas não foram tão boas quanto eu esperava.

Cerca de 30% dos meus pacientes tiveram uma virada de cura completa e miraculosa depois de adotar mudanças alimentares. Outros 30% dos meus pacientes tiveram alguma melhora. Mas surpreendentemente 40% deles não teve melhora alguma ou pioraram depois de implementar planos com foco na saúde.

Então eu perguntei: “Se a causa das doenças é a inflamação, o que está levando nosso intestino a ser tão afetado e os nossos corpos a ficar tão inflamados? Se o problema não é reduzir o açúcar e comer mais legumes e verduras, então qual é?!”.

Para responder essa pergunta nós precisamos primeiro entender parte da história da origem de nossos alimentos e das áreas de produção rural em nossos países.

Depois da Segunda Guerra Mundial os Estados Unidos acabaram com um excesso de petróleo para os quais eles não tinham uso mais. Eles descobriram que petróleo podia ser usado como fertilizante químico e passaram a comercializá-lo como tal.

Pela primeira vez na história produtores rurais ignoraram boas práticas agriculturais desenvolvidas pela sabedoria ancestral. Eles pararam de descansar o solo e pararam de praticar a rotação de plantios. Eles esqueceram das duras lições das Tempestades de Areia dos anos 1930.

Produtores rurais se convenceram que adubar o plantio com fertilizantes químicos economizava tempo, aumentava a produtividade e produzia plantas mais saudáveis e verdes.

As plantas ficaram mais verdes, mas não ficaram mais saudáveis. Elas estavam agora fracas e deficientes de nutrientes fundamentais. De fato, um tomate produzido hoje não tem quase nenhum licopeno[1] se comparado com um produzido em 1950.

Plantas fracas são mais suscetíveis a doenças e pragas então a solução passou a ser usar mais químicos, dessa vez na forma de pesticidas (que em essência são antibióticos) para o solo e ignorar que bem abaixo da superfície a biologia entrava em colapso.

Era, e ainda é, uma versão ambiental da maneira exata com a qual tratamos doenças em humanos hoje em dia.

O pesticida comercial mais amplamente usado é herbicida à base de glifosato chamado Roundup. Hoje o uso do Roundup é tão excessivo que, de maneira geral, se tornou impossível evitar seus efeitos. De fato, 99.99% do Roundup usado nunca atinge uma erva daninha, ao invés disso, mais que tudo, ele encontrado no escoamento e acaba contaminando a água que bebemos e o ar que respiramos. No sul dos Estados Unidos 75% do ar e da chuva estão contaminados com glifosato.

Nota do tradutor: A exposição da população brasileira aos agrotóxicos é gravíssima. Segundo Alan Tygel, da Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida, o brasileiro médio consome 5.2 litros de veneno por ano em sua comida. O agronegócio no Brasil faz uso de 504 agrotóxicos, dos quais 30% são proibidos na União Européia. Desde 2008 o Brasil é pais que mais usa agrotóxicos no mundo. O uso do glifosato no Brasil varia entre 5 e 9 kg por hectare, enquanto na União Europeia é limitado a 2kg por hectare.

Enquanto na União Europeia a quantidade máxima do herbicida glifosato que pode ser encontrada na água é de 0,1 miligramas por litro, o Brasil permite 5 mil vezes mais.

O livro Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Européia, escrito por Larissa Bombardi e publicado em 2017, revela que 8 brasileiros são contaminados por dia, segundo dados oficiais conservadores. Uma pesquisa da Fiocruz, no entanto, estima que para cada caso notificado, 50 casos não são notificados. Isso implica que entre 2007 e 2014, mais de um milhão de brasileiros foram intoxicados por agrotóxicos.

Mas a situação é ainda mais grave. Nos Estados Unidos começam a surgir pesquisas comprovando a correlação do aumento de doenças com o uso de glifosato nas lavouras. Entre as doenças causadas pelo glifosato estão o cancer, Mal de Parkinson, Alzheimer, autismo, doença celíaca, intestino poroso, inflamações crônicas, etc. Enquanto isso no Brasil, desde 2015 o governo deixou de publicar os casos de intoxicação por agrotóxicos, o que dificulta estudar os casos de intoxicação direta ou indireta por esses agentes químicos.

Mesmo antes de dar uma mordida no alimento você está sendo agredido com um antibiótico toda vez que inspira.

Então como, mais especificamente, esse agente químico prolífico afeta nossa saúde? Agentes químicos à base de glifosato aumentam a permeabilidade da membrana intestinal. Isso significa que os efeitos colaterais do Roundup são lesões diretas à própria estrutura de proteínas que mantém nosso intestino inteiro como órgão. E todas as macro-membranas no seu corpo são mantidas estruturalmente pelas mesmas tight junctions (estruturas formadas por proteínas que mantém a integridade física e funcional das membranas celulares) que o intestino tem.

Nosso ambiente nos transformou em peneiras furadas e os mesmo vasos sanguíneos em nosso corpo que supostamente deveriam carregar as respostas imunológicas ou buscar nutrientes também estão vazando e afetando a Barreira Hematoencefálica[2] (BHE) levando a uma abundância de desordens neurológicas como Mal de Parkinson, Alzheimer e Autismo.

Quando respiramos, bebemos, comemos ou tomamos chuva, nós estamos sendo sujeitos a antibióticos que estão matando as bactérias saudáveis que precisamos para prosperar. A capacidade natural que temos de curar a nós mesmos está sendo arrancada porque nosso bioma foi obliterado pelo glifosato.

Nós criamos uma guerra tanto no nosso meio ambiente externo como no interno. Então como concertamos essa realidade sombria? Por onde começamos?

Uma notícia boa é que a Monsanto (a multinacional que distribui o Roundup) deixou vazar uma estatística encorajadora. Se 16% da comida consumida nos Estados Unidos fosse orgânica a indústria de fertilizantes químicos perderia sua estabilidade financeira.

Apenas 16%. A verdade é que se parássemos de usar o Roundup amanhã, ainda levaria 50 anos para que os níveis tóxicos baixassem. Mas existem bactérias e fungos no solo que conseguem digerir o glifosato. Nosso planeta, assim como nossos corpos, tem uma capacidade natural que curar a si mesmo. Se nós permitirmos.

Nós precisamos começar a fazer as coisas de um modo diferente.

Seguindo as taxas atuais de declínio da saúde, no ano de 2035, uma em cada 3 crianças serão diagnosticadas com autismo. Apenas essa estatística já é suficiente para enviar o país para um colapso financeiro. Uma mudança precisa acontecer e pode acontecer.

Nós os consumidores somos a solução.

Então quais são as medidas que eu recomendo que tomemos para ajudar a mudar as coisas para nossa própria saúde e para o futuro da sociedade?

Mudanças de Macro Ecossistemas

Respire em tantos ambientes diferentes quanto seja possível. Isso significa sair de casa. Deixar seu gramado imaculado. Subir uma montanha. Sentar ao lado de uma cachoeira. Ler debaixo de uma árvore musguenta. Vá ao um pântano. Entre em tantos ecossistemas quanto seja possível para você e simplesmente respire eles por algumas horas. Mudar seu ambiente é uma das maneiras mais simples de repovoar seu micro-bioma (a rejuvenescer a sua saúde mental).

Coma comidas fermentadas

Antes do advento da refrigeração nós usávamos a fermentação como método de preservação de alimentos. Como nós perdemos esse necessidade, nós também perdemos seus benefícios. Alimentos fermentados contém bactérias que reforçam o sistema imunológico e você só precisa comer algumas garfadas de chucrute caseiro para obter a dose diária necessária.

Compre alimentos orgânicos

Essa medida é para melhorar sua saúde, é claro, mas é também para melhorar nosso futuro. Lembre-se: se apenas 16% da população consumir alimentos orgânicos a Monsanto faliria. Alimentos orgânicos geralmente são mais caros, mas se todos nós encontrássemos maneiras de nos sacrificar agora, o preço dos alimentos naturais baixaria dramaticamente assim que os pesticidas químicos parassem de ser usados.

Compartilhe essa mensagem

Faça com que as pessoas comecem a pensar e conversar sobre esses assuntos e os vários equívocos que o cercam. Assista a última entrevista feita com Rich Roll (em inglês) e compartilhe com amigos, família e produtores rurais na sua área.

Nota do tradutor: No Brasil, para os que não dominam o idioma inglês, vale compartilhar essa tradução, o artigo assim como o artigo O agro esconde, o agro mente, o agro mata, assim como o livro Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Européia (2017), escrito por Larissa Bombardi.

A esperança humana é contagiosa e, se apenas alguns de nós nos tornarmos mais conscientes de nós mesmos, de nosso ambiente e de nossas comunidades, isso causa uma reação em cadeia.

A mudança pode acontecer rápido. E precisa ser assim. Faça o que você pode, onde você pode e com o que você tiver.

O Dr. Zach Bush, é um dos poucos médicos estadunidenses especializado em 3 áreas: medicina interna, endocrinologia e metabolismo e internação e cuidados paliativos. Aprenda mais sobre o trabalho inovativo do Dr. Zack Bush nos sites:  ZachBushMD.com, IntrinsicHealthSeries.com, e FarmersFootprint.us.


Publicações científicas sobre os efeitos nocivos do glifosato para saúde humana (em inglês):

 – Gildea J, Roberts D, Bush ZM (as Senior/corresponding author). Protective Effects of Lignite Extract Supplement on Intestinal Barrier Function in Glyphosate-mediated Tight Junction Injury. [Self-Funded Original Research] (Under Review – BioMed Central – Public Health).

– Gildea J, Roberts D, Bush ZM (as Senior/corresponding author). Gliadin and glyphosate independently, and in combination, induce tight junction injury, and epithelial membrane leak in small bowel and colon epithelial membrane. [Self-Funded Original Research] (Under Review J Gastroenterology).

– Gildea J, Roberts D, Bush ZM (as Senior/corresponding author). Protection against Gluten-mediated Tight Junction Injury with a Novel Lignite Extract Supplement. [Self-Funded Original Research] J Nutr Food Sci 2016, 6:5

O currículo do Dr. Zack Bush, assim como uma lista mais completa de seu trabalho e pesquisa podem ser encontradas em inglês nesse link.


Notas de rodapé:

[1]Licopeno uma substância carotenoide que dá a cor avermelhada ao tomate, melancia, goiaba, entre outros alimentos. É um antioxidante que, quando absorvido pelo organismo, ajuda a impedir e reparar os danos às células causados pelos radicais livres.

[2]A Barreira hematoencefálica (BHE) é uma estrutura de permeabilidade altamente seletiva que protege o Sistema Nervoso Central (SNC) de substâncias potencialmente neurotóxicas presentes no sangue e sendo essencial para a função metabólica normal do cérebro. É composta de células endoteliais estreitamente unidas, astrócitos, pericitos e diversas proteinas.