Proteção Contra Queimadas – Entendendo e projetando para proteção contra queimadas

Nota de Introdução do tradutor: As queimadas gravíssimas que atingiram grande parte do planeta em 2019 revelam a inconstância e os extremos climáticos como o novo padrão. Não se passaram ainda 12 meses e a expansão do agronegócio e suas práticas reducionistas e dissociadas dos fundamentos ecológicos já ateou fogo no Brasil mais uma vez. Essas queimadas revelam a necessidade urgentíssima de projetarmos propriedades rurais mais resilientes contra as secas, as enchentes e as queimadas.

Felizmente pessoas muito competentes no mundo inteiro tem feito um esforço coletivo para disponibilizar alternativas de desenho, estratégias e práticas que podem ajudar muito. Grande parte dos entraves que podem dificultar a adoção desse conjunto de soluções, no entanto, são de ordem cultural e burocrática.

As culturais tem a ver com políticas ambientais arcaicas que partem do princípio que toda intervenção humana na natureza e que todo uso de sistemas com animais integrados são aspectos negativos. Esse paradigma também tem a ver com a crença que assume que ‘desastres sempre ocorreram e vão continuar a acontecer no futuro e não há nada que se possa fazer, faz parte do ofício do produtor rural’.

Esse trabalho de tradução nasceu com o intuito de auxiliar clientes e familiares na tarefa de re-projetar suas propriedades e dialogar com os departamentos ambientais por melhores políticas de prevenção e combate às queimadas. Alguns trechos já foram compartilhados em relatórios de consultorias feitas na Chapada Diamantina e estão norteando a elaboração de planos de manejo individuais nesta região.

O que segue abaixo é uma uma tradução livre e resumida preparada por mim (Eurico Vianna, PhD) da sessão 3.56 – Proteção Contra Queimadas: Entendendo e projetando contra queimadas, do Capítulo 3 (Água), do Regrarians Handbook (2019). O livro foi escrito pelo planejador de propriedades rurais Darren J. Doherty, Georgi Pavlov e o ilustrador Andrew Jeeves. Nas referências eu também inclui recursos relacionados ao tema que foram disponibilizados por Doherty em um artigo chamado Recursos para Antes da Queimada (#BeforeTheFire Resources).

Mantenho aqui a organização original do texto seguindo a ordem da Escala de Permanência da Linha Chave. Uso as reticências “…” para indicar trechos não traduzidos. Na medida do possível complementarei as traduções dos trechos de texto e tabelas que não foram incluídos nessa primeira publicação. Se possível e com autorização do Darren, publicarei também as ilustrações originais.

Proteção Contra Queimadas: Entendendo e projetando contra queimadas

ENTENDER AS DINÂMICAS DAS QUEIMADAS

#1.Clima – As regulamentações federais e estaduais que regem os recursos naturais (especialmente os hídricos) podem ser um empecilho para algumas das ações propostas. Como elas são difíceis de serem alteradas e podem limitar o que pode ser feito em determinada propriedade elas se encaixam na camada 1#Clima (no “Clima da Mente”).

Aptidão psicológica, física, prática e Contexto Holístico

O preparo prático e físico deve ser visto em conjunto com o psicológico porque eles se reforçam. Recomendo o desenvolvimento e análise de um Contexto Holístico  para melhor determinar quem são os Tomadores de Decisão, qual é a base de recursos disponíveis, qual a qualidade de vida determinada, ações e comportamentos, quais os indicadores de sucesso, qual é o elo fraco em um dado momento e quais são os passos específicos de gerenciamento da propriedade ou empreendimento (Regrarians Handbook, 2015. pp.258-271).

Histórico Climático

É muito importante pesquisarmos os padrões climáticos e das últimas queimadas pelos últimos 100 anos. Esses padrões (e.g. de quanto em quanto tempo acontecem as queimadas) pode informar decisões estratégicas com mais eficiência que a utilização de dados isolados como precipitação, temperatura, velocidade dos ventos, etc. isoladamente. (Regrarians Handbook, 2015. pp.258-271).

#2.Geografia

A topografia influencia fortemente a direção, velocidade dos ventos e distribuição da matéria combustível, portanto, tendo efeito direto no comportamento das queimadas.

  • Inclinação –  a intensidade e velocidade do fogo aumentam morro acima. Nessas condições o calor irradiado viaja na frente pré-aquecendo e secando matéria orgânica inflamável de antemão. Para cada 10° de inclinação morro acima o fogo dobra de velocidade e para cada 10° de inclinação morro abaixo ele perde metade da velocidade.
  • Orientação – os morros com aspecto solar para o Norte tem maior risco de serem atingidos por queimadas.

Alguns exemplos de preparo comunitário contra queimadas pode incluir:

  • Redução preventiva de matéria orgânica inflamável, especialmente nos setores de maior risco de queimada.
    • [Estratégias propostas/coletadas por mim, Eurico, na Chapada Diamantina] 1- Uma estratégia seria a proposta pelo Nagoy Sol, ativista socioambiental em Rio de Contas, na Chapada Diamantina: fazer mutirões organizados ou abrir as propriedades para a coleta de madeira para as festas juninas. Um problema é que essa estratégia não resolve a questão da matéria orgânica seca nas plantas gramíneas e arbustivas; 2 – Outra estratégia válida a se considerar, talvez usada depois da descrita acima, seria a utilização de ‘fogo frio’ quando e onde apropriado e antes da estação seca.
  • Criação e participação de uma brigada voluntária. Caso já exista uma, aconselho o compartilhamento dessas propostas e o subsequente treinamento/adaptação de todos os envolvidos;
  • Criação de um sistema de mensagens, se possível com um número central alternativo para tornar a comunicação local mais eficiente em emergências;
  • Criação de planos de emergência individuais e biorregionais com pontos de decisão claros para ação ou evacuação;
  • Monitoramento constante dos riscos de queimada;
  • Encorajar a interação e cooperação entre os vários órgãos regionais e federais durante emergências. (Regrarians Handbook, 2015. pp.258-271)

#3.Água

Como vimos no curso após fazer alguns estudos de caso para o dimensionamento de captação de água de chuva, a Chapada Diamantina não tem um problema de escassez de água, mas sim de práticas que façam uso da água disponível. É necessária uma análise geotécnica de solo para a analisar a possibilidade de se construir uma açude na parte mais alta.

O Desenho

  • Usar preferencialmente sistemas com pressão por gravidade para irrigação e combate ao fogo, uma vez que são muito mais seguros que as bombas;
  • É melhor que o sistema de proteção contra queimadas também integre o sistema de irrigação;
  • Todo encanamento deve ser enterrado. Nos locais onde não é possível enterrar é necessário então cobrir o encanamento com uma boa camada de telha e cimento. Qualquer encanamento acima do solo, como torneiras e pontos de acesso devem ser aço galvanizado.

Açudes (Barragens)

  • Sempre que possível açudes devem ser construídos para servir de barreira contra queimadas no setor de risco, prover irrigação por gravidade e servir de fonte de água a ser bombeada para uma cisterna mais alta;
  • Os açudes devem armazenar água suficiente para prevenção e combate ao fogo (entre 20 e 50 mil litros por hectare durante a estação das queimadas);
  • Sempre que possível, tanto quanto a topografia e outros fatores permitam, os açudes devem ser projetados de forma a serem facilmente acessados pela brigada de incêndio. (Regrarians Handbook, 2015. Pp.258-271. Tradução livre Eurico Vianna, PhD).

Cisternas

Ao contrário da propaganda e crença popular, nenhuma cisterna é completamente à prova de fogo, entretanto as cisternas de ferrocimento ou metal oferecem melhores opções resistentes às queimadas que outros materiais. Exposição às queimadas ’empretece’ os tanques de aço inox, mas dependendo da quantidade de água na cisterna e da intensidade da queimada as exposições prolongadas à temperaturas extremas eventualmente destruirá qualquer junta soldada. Cisternas de plástico pode pegar fogo quando expostas as chamas constantes, como é o caso das queimadas. Contrariamente ao que é atestado por alguns fabricantes, as cisternas de metal com revestimento interno de plástico são sensíveis a temperaturas altas. Em uma queimada intensa o revestimento interno se descolará tornando a cisterna inútil. Durante a pesquisa Impacto das Queimadas da Austrália (Australian Fire Impact no original) conduzida pelo Departamento de Ecossistemas Sustentáveis do CSIRO (Organização de Ciência e Pesquisa Industrial da Commonwealth em português) as cisternas de aço inox cilíndricas (Zincalume) se comportaram melhor que as cisternas Aquaplate (circulares achatadas), com seu revestimento interno derretendo a 200°C. Os tanques de fibra de vidro falharam completamente.

  • As cisternas devem ser posicionadas perto da casa, mas não no setor de risco de queimadas;
  • As cisternas destinadas para o combate ao fogo devem ser de metal ou ferro-cimento e, de preferência, posicionadas acima do solo;
  • Cisternas de material plástico devem ser enterradas;
  • As cisternas devem prover armazenamento de água suficiente para o combate ao fogo durante a estação de risco (ver tabela abaixo). Na prática, provavelmente todas as fontes de água serão utilizadas em uma situação de emergência.
  • Na impossibilidade de construir açudes, o dimensionamento das cisternas destinadas a combater queimadas devem chegar o mais perto possível da capacidade recomendada dos açudes (entre 20 e 50 mil litros por hectare durante a estação das queimadas);
  • Cisternas dedicadas ao combate às queimadas precisam ser facilmente identificadas à partir da estrada pública, incluindo placas de sinalização na entrada da propriedade, ser de fácil acesso pela entrada, que deve ser de 4 metros de largura e se estende até 4 metros à partir da cisterna;
  • A base das cisternas pode precisar de reforços contra colapso [em queimadas];
  • Todos as cisternas devem ter encaixes de engate rápido (Storz 65mm) e todas as válvulas, canos e encaixes devem ser de metal;
  • Cisternas subterrâneas devem permitir que caminhões pipa reabasteçam direto delas com uma abertura maior que 200mm;
  • Cisternas expostas aos setores com alto risco de queimada devem ser projetadas com escudos térmicos contra calor e contato direto com labaredas. (Regrarians Handbook, 2015. Pp.258-271. Tradução livre Eurico Vianna, PhD)

Valas de Infiltração e Sistemas de tratamento alternativo (WET Systems)

  • Quando utilizados com plantas resistentes ao fogo, swales podem funcionar como barreiras ao fogo;
  • Em áreas áridas ou semiáridas os swales podem, até certo ponto, reumidificar o solo diminuindo o risco de queimadas;
  • Os swales também devem ser projetados de forma a funcionar como acesso para motos ou pessoas até açudes, estradas públicas ou trilhas de fuga de emergência;
  • WET Systems podem ser implantados nos setores de maior risco de fogo.

É sempre importante presumir que sistemas elétricos, bombas e aspersores podem falhar quando mais precisamos deles. Com essa atitude garantimos o desenho de sistemas redundantes e alternativos (quase sempre por gravidade).

Nota do tradutor:

Em 2019 eu contactei o Darren informando que estava trabalhando nessa tradução. Na ocasião ele me pediu que não publicasse trechos e pela falta de tempo a tradução integral foi sendo postergada.

Dado o contexto atual do Brasil, com grande parte de seus biomas mais uma vez ardendo em chamas, eu resolvi publicar a tradução como ela está e, na medida do possível, me comprometendo a disponibilizar o texto na íntegra. Ainda faltam trechos abordando as camadas:
#4.Acesso,
– #5.Sistemas Florestais,
– #6.Edificações,
– #7.Cercas e Subdivisões e
#8.Solo

O próximo curso online de introdução ao planejamento de propriedades rurais com base na Escala de Permanência começa do dia 13 de Outubro.

O objetivo principal do curso é harmonizar as vocações das pessoas, a maneira como querem viver e se expressar com as aptidões do terreno. É criar resiliência ecológica e hídrica para os sistemas de produção que, por sua vez, trarão a viabilidade econômica.

Outra missão importante é fazer com que cada participante saia com uma visão integral da propriedade. É criar um roteiro de implementação de intervenções realistas que respeitem a saúde e qualidade de vida de todos. Tudo dentro de uma ordem de prioridade na execução de forma que as pessoas, o ecossistema e a economia estejam cada vez mais saudáveis.

Link para o evento no FaceBook aqui.

Link para o formuário de inscrições aqui.