As 10 Estratégias de Manipulação da Mídia, por Noam Chomsky

Noam Chomsky diz que “A propaganda representa para a democracia aquilo que o cassetete significa para o estado totalitário”. Mas quando os fundos de campanha bancados por corporações elegem mais que o povo, temos uma democracia? Quando os votos dos parlamentares são comprados para legislar em prol de banqueiros, mineradoras, farmacêuticas, indústria dos ultraprocessados, indústria armamentista e o agronegócio, podemos dizer que temos um sistema representativo?

Quando passaportes sanitários* estão sendo implementados, com uma droga experimental que nem imuniza, nem previne a transmissão, favorecendo corporações com lucro anual que ultrapassam mais de 100 bilhões de dólares, podemos afirmar, com certeza, que essa é a melhor estratégia para a saúde das pessoas? 

Quando em torno de 80% das pessoas com casos graves e óbitos estão entre pessoas obesas, com diabetes tipo 2, doenças cardíacas e crônicas causadas por uma alimentação com ultraprocessados, sedentarismo e hábitos nocivos para a saúde e o foco principal do governo e da grande mídia não está em reverter essa epidemia de obesidade, doenças crônicas e sedentarismo podemos confiar que as medidas sendo implementadas visam o bem estar de todos? 

Entender essas 10 estratégias é um instrumento poderoso para avaliar os enquadramentos das notícias. Para que mesmo que não saibamos quais os interesses escondidos, possamos perceber a manipulação. Ter conhecimento histórico sobre como governos e corporações agem juntos para cercear as liberdades e autonomia da população favorecendo a elite do sistema vigente também auxilia muito na avaliação crítica das notícias atuais. (Ver A Doutrina do Choque de Naomi Klein)

Noam Chomsky é linguista, filósofo, cientista cognitivo e um dos maiores comentaristas e ativistas políticos de nosso tempo. As 10 Estratégias de Manipulação da Mídia são um resumo do livro Fabricando Consentimento: A Economia Política da Grande Mídia*, escrito em 1988 por Edward S. Herman e Noam Chomsky. O livro também deu origem a um documentário com o mesmo nome. 

Leia abaixo as 10 Estratégias de Manipulação da Mídia e tenha elas em mente para avaliar as notícias sobre economia, política e saúde pública. Se pergunte: essas medidas me dão mais ou menos autonomia e condições para viver uma vida com dignidade, respeito e liberdade? Essas medidas estão sendo elaboradas por quem, a quem elas mais favorecem?

* Como estou usando as 10 Estratégias de Manipulação da Mídia para fazer uma leitura crítica sobre os riscos de aceitarmos políticas nacionais e internacionais de passaporte sanitário, faço aqui a ressalva de que o Chomsky já se manifestou a favor dos mesmos. Na minha opinião uma grande incoerência já que outros pensadores de nosso tempo como Edward Snowdem tem alertado para o perigo de entregarmos nossos dados e autonomia sem pensar como o Estado não abrirá mão dos poderes ampliados nesse momento. 

* Título original Manufacturing Consent: The Political Economy of the Mass Media

1 – A Estratégia da Distração.

O elemento primordial do controle social é a estratégia da distração, que consiste em desviar a atenção do público dos problemas importantes e das mudanças que são decididas pelas elites políticas e econômicas, mediante a técnica do dilúvio ou inundação de contínuas distrações e de informações insignificantes. A estratégia da distração é igualmente indispensável para impedir o público de interessar-se pelos conhecimentos essenciais na área da ciência, economia, psicologia, neurobiologia ou cibernética. “Manter a atenção do público distraída, longe dos verdadeiros problemas sociais, cativada por temas sem importância real. Manter o público ocupado, ocupado, ocupado, sem nenhum tempo para pensar; de volta à granja como os outros animais” (citação do texto ‘Armas Silenciosas para Guerras Tranquilas’).

2 – Criar problemas e depois oferecer soluções.

Este método também se denomina “Problema-Reação-Solução”. Cria-se um problema, uma “situação” prevista para causar certa reação no público, a fim de que seja este quem exija medidas que se deseja fazer com que aceitem. Por exemplo: deixar que se desenvolva ou se intensifique a violência urbana, ou organizar atentados sangrentos, a fim de que o público seja quem demande leis de segurança e políticas de cerceamento da liberdade. Ou também: criar uma crise econômica para fazer com que aceitem como males necessários o retrocesso dos direitos sociais e o desmantelamento dos serviços públicos.

3 – A Estratégia da Gradualidade.

Para fazer com que se aceite uma medida inaceitável, basta aplicá-la gradualmente, com conta-gotas, por anos consecutivos. Dessa maneira as condições sócio-econômicas radicalmente novas (neoliberalismo) foram impostas durante as décadas de 1980 e 1990. Estado mínimo, privatizações, precariedade, flexibilidade, desemprego massivo, salários que já não asseguram rendas decentes, tantas mudanças que provocariam uma revolução se fossem aplicadas de uma vez só.

4 – A Estratégia de Diferir.

Outra maneira de fazer com que se aceite uma decisão impopular é a de apresentá-la como “dolorosa e necessária”, obtendo a aceitação pública, no momento, para uma aplicação futura. É mais fácil aceitar um sacrifício futuro do que um sacrifício imediato. Primeiro porque o esforço não é empregado imediatamente. Logo, porque o público, a massa, tem sempre a tendência a esperar ingenuamente que “tudo irá melhorar amanhã” e que o sacrifício exigido poderá ser evitado. Isto dá mais tempo ao público para se acostumar com a idéia da mudança e aceitá-la com resignação quando chegar o momento.

5 – Dirigir-se ao público como a criaturas de pouca idade.

A maioria da publicidade dirigida ao grande público utiliza discursos, argumentos, personagens e entonação particularmente infantis, muitas vezes próximos à debilidade, como se o espectador fosse uma criatura de pouca idade ou um deficiente mental. Quanto mais se pretende enganar o espectador, mais se tende a adotar um tom infantilizante. Por que? “Se alguém se dirige a uma pessoa como se ela tivesse 12 anos ou menos, então, em razão da sugestão, ela tenderá, com certa probabilidade, a uma resposta ou reação também desprovida de um sentido crítico como a de uma pessoa de 12 anos ou menos (ver ‘Armas silenciosas para guerras tranqüilas’)”.

6 – Utilizar o aspecto emocional muito mais que a reflexão.

Fazer uso do aspecto emocional é uma técnica clássica para causar um curto-curcuito na análise racional, e, finalmente, no sentido crítico dos indivíduos. Por outro lado, a utilização do registro emocional permite abrir a porta de acesso ao inconsciente para implantar ou injetar ideias, desejos, medos e temores, compulsões, ou induzir comportamentos.

7 – Manter o público na ignorância e na mediocridade.

Fazer com que o público seja incapaz de compreender as tecnologias e os métodos utilizados para seu controle e sua escravidão. “A qualidade da educação dada às classes sociais inferiores deve ser a mais pobre e medíocre possível, de forma que a distância da ignorância planejada entre as classes inferiores e as classes sociais superiores seja e permaneça impossível de ser alcançada para as classes inferiores (ver ‘Armas silenciosas para guerras tranqüilas’)”.

8 – Estimular o público a ser complacente com a mediocridade.

Promover a crença do público de que é moda o fato de ser estúpido, vulgar e inculto.

9 – Reforçar a auto-culpabilidade.

Fazer crer ao indivíduo que somente ele é culpado por sua própria desgraça devido à insuficiência de sua inteligência, de suas capacidades, ou de seus esforços. Assim, em vez de se rebelar contra o sistema econômico, o indivíduo se menospreza e se culpa, o que gera um estado depressivo, cujo um dos efeitos é a inibição da ação do indivíduo. E sem ação não há revolução!

10 – Conhecer os indivíduos melhor do que eles mesmos se conhecem.

No decurso dos últimos 50 anos, os avanços acelerados da ciência geraram uma crescente brecha entre os conhecimentos do público e aqueles que possuem e utilizam as elites dominantes. Graças à biologia, à neurobiologia e à psicologia aplicada, o “sistema” desfrutou de um conhecimento avançado do ser humano, tanto de forma física como psicológica. O sistema conseguiu conhecer melhor o indivíduo comum do que este conhece a si mesmo. Isto significa que, na maioria dos casos, o sistema exerce um controle maior e um grande poder sobre os indivíduos, maior que o dos indivíduos sobre si mesmos.