Pico do Petróleo com Sérgio Pamplona

Em 1956 o geólogo Marion King Hubbert apresentou os resultados de estudo encomendado pelo Instituto Americano do Petróleo. O relatório de Hubbert previa que a extração atingiria uma pico em aproximadamente 50 anos e que pouco depois sofreria um declínio rápido. Hubbert foi ridicularizado, mas todas as previsões de seu estudo se confirmaram com bastante precisão. O permacultor Sérgio Pamplona compartilha quais as implicações do Pico do Petróleo no momento atual brasileiro e explica porque é de fundamental importância que aprendamos a projetar uma sociedade mais energeticamente eficiente com urgência.

A palestra aconteceu durante a Partilha de Saberes, uma reunião mensal que acontece no Sítio Nós na Teia, nos arredores de Brasília. O sítio é um modelo de habitação sustentável onde os visitantes podem conhecer os princípios, tecnologias e práticas de quem já vive no dia-a-dia uma vida ambiental e energeticamente consciente. Sérgio e sua companheira Mônica tem se dedicado incansavelmente à prática e ensino da permacultura como forma de emponderar as pessoas a seguir seu exemplo de vida regenerativa.

Eu fiquei sabendo da partilha de saberes e pedi fosse publicada aqui no podcast Impacto Positivo. Sérgio e Mônica gentilmente permitiram que eu gravasse para compartilhar. Eu tive vários problemas com a conexão de internet no dia o que atrapalhou a gravação e comprometeu a qualidade do áudio. Conseguimos, entretanto, documentar a palestra na íntegra para que um número maior de pessoas pudesse se beneficiar do conteúdo, lições e reflexões.

Na sessão de artigos aqui do site eu compartilhei alguns artigos e traduções relacionados ao Pico do Petróleo e a atual conjuntura brasileira. Juntos, esse podcast e os artigos dão uma boa base de entendimento porque é necessário mudarmos rapidamente nosso estilo de vida e nos prepararmos para um futuro de declínio energético enquanto ainda temos recursos suficiente para isso. Com foco nas soluções, o Sérgio está organizando uma cooperativa de produtores e consumidores interessados em produzir seu próprio combustível.

Compartilhem a palestra e os artigos em suas redes sociais. Mudança boa se faz em boa companhia.

Abraços,

Eurico Vianna