Redes Agroflorestais com Namaste Messerschmidt

 

Publico esse podcast em um momento no qual mais agrotóxicos são aprovados, seu uso ampliado para mais lavouras e tudo isso em tempo recorde para agradar as corporações. Eu converso com Namaste Messerchmidt, um dos educadores mais ativos na disseminação das práticas agroflorestais Brasil e mundo afora. Entre outros assuntos, todos muito pertinentes para o grave momento que vivemos no Brasil e no mundo, conversamos sobre a pratica da agrofloresta em rede e como esse conhecimento tem sido compartilhado de forma aberta e generosa Brasil afora. Conversamos também sobre o MST, e como o movimento se tornou um grande laboratório da agroindústria agroflorestal e agroecológica em redes de cooperativas que juntas tornam a agricultura regenerativa a alternativa mais viável para o pequeno produtor.

Namaste cresceu em um sítio e já aos 12 anos começou a estudar e praticar a agricultura em sistemas agroflorestais. Depois de muito experimentar, de se tornar produtor rural e ainda um tanto jovem, ele se tornou um dos educadores mais ativos na disseminação da agrofloresta pelo Brasil e pelo mundo. O pai já havia andado pela Austrália, se envolvido com a permacultura e depois acabou morando em sítio na Chapada do Veadeiros. Ainda na Chapada, Namaste passou a morar no Instituto Oca-Brasil onde Ernst Gotsch, Cimara, Oswaldo e outros ministravam cursos de capacitação e manejo.

A forma como o MST tem mostrado que é possível ser lucrativo e regenerativo ao mesmo tempo também fez parte da nossa conversa. Com experiência em vários assentamentos e com a equipe técnica do CooperaFloresta, Namaste explica como pequenos produtores organizados em rede, conseguem produzir e comercializar em grande escala, com métodos regenerativos, gerando mais empregos, assegurando a biodiversidade e a saúde social das comunidades produtoras.

Conversamos também sobre os princípios agroflorestais em climas temperados. Mais especificamente em Portugal, França e Espanha, onde Namaste recentemente passou ensinando e ajudando na implementação de sistemas.

Como mencionei mais ao final da entrevista, preparei dois artigos em inglês condensando assuntos relacionados ao MST e a implementação de SAFs em lugares de clima temperado.
Agroflorestas sucessionais em climas Mediterrâneos Temperados e Como o MST tem inspirado uma revolução agroflorestal no Brail.

Ainda ao final da entrevista Namaste menciona as várias publicações do CooperaFloresta como um lugar onde as pessoas podem procurar recursos para iniciar e apoiar a prática agroflorestal.

Embora a missão do podcast seja mostrar idéias, ações, pessoas e projetos de impacto positivo nas mais diversas áreas, por vezes, uma entrevista leva a outra e acabo conversando com convidados em uma área mais específica. No próximo podcast eu converso com Osmany Segall, que além de gestor da Fazenda Bella é meu irmão. Junto com a Fabiana Penereiro, o Igor Aveline e outros ativistas socioambientais do DF (e do Mutirão Agroflorestal), o Osmany participou da implementação de SAFs em 17 hectares da cabeceira da Bacia do Descoberto.

Depois temos mais SAF no podcast com o Dax do Sítio Florestinha. Um papo muito interessante no qual Dax compartilhou como é possível gerir nossos empreendimentos gerando abundância, não só no campo, mas também na economia fazendo uso do blockchain.

Como de costume, lembro a vocês que mudança boa se faz em boa companhia! Se você tem aprendido e se inspirado com o podcast, peço que compartilhe o conteúdo nas suas redes sociais e deixe suas avaliações no iTunes ou Stitcher. Para enviar notícias de impacto positivo é só compartilhar os artigos direto em nossa página no Facebook ou enviar sua sugestão de pauta por email para info_arroba_euricovianna.com.br com o título “Sugestão de Pauta para Impacto Positivo”.

Abraços!
Eurico Vianna